Webmail    |    Fale Conosco

Quem Somos    |    Filie-se

 
  • 15 Junho 2012

CUT e sindicatos convocam para a Marcha dos Movimentos Sociais

A Central Única dos Trabalhadores e os sindicatos filiados a ela, entre os quais o Sindicato dos Enfermeiros do Rio de Janeiro (SindEnfRJ), convocam todos os trabalhadores para a Marcha dos Movimentos Sociais, que será realizada na tarde desta quarta-feira, dia da abertura oficial da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio + 20. A concentração será a partir das 15h no primeiro quarteirão da Avenida Rio Branco. De lá, os trabalhadores seguirão até o Obelisco da Cinelândia, na entrada do Aterro do Flamengo, onde está sendo realizada a Cúpula dos Povos.

A Marcha faz parte do Dia de Ação Global e vai reunir representantes de movimentos sociais de todo o mundo, como o Ocuppy, dos Estados Unidos, da Primavera Árabe, dos Indignados da Espanha, do Movimento Estudantil do Chile e de sindicatos de vários países da Europa e da América Latina. Do Brasil, além da CUT e dos sindicatos, participam camponeses ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e à Vila Campesina e outros.

O Dia de Ação Global inclui manifestações por todo o mundo, comandadas por trabalhadores e pessoas ligadas aos movimentos sociais que não puderam vir ao Rio para a Cúpula dos Povos. “Haverá atividades nos Estados Unidos, na América Latina e na Europa. E a gente espera que na África também”, explica Carlos Painel, membro do Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20 e coordenador do Fórum Brasileiro de Organizações Não Governamentais e Movimentos Sociais (Fboms).

O objetivo da Marcha é deixar claro que a discussão do desenvolvimento sustentável não pode se restringir a representantes de governos e que ele não pode existir sem respeito aos direitos dos trabalhadores, sem acesso a saneamento básico, água potável, educação e saúde como direitos universais, sem igualdade de condições de trabalho e cidadania entre pessoas de todas as raças, gêneros, preferências sexuais ou opções religiosas, causas que os governos se recusam a incluir entre as prioridades da Rio + 20.

É preciso, portanto que todos os trabalhadores participem da Marcha dos Movimentos Sociais. Ela é o espaço para os trabalhadores e toda a sociedade apresentarem as suas reivindicações e mostrarem que não vão aceitar que a Rio + 20 sejam apenas mais um encontro de chefes de Estado para assinarem acordos com promessas que nunca cumprem. Queremos compromissos sérios e que atendam aos interesses de todos os trabalhadores do mundo. E é isso que vamos cobrar na Marcha dos Movimentos Sociais.

 

Todos à Marcha dos Movimentos Sociais

Quarta-feira, 20 de junho, a partir das 15h

Concentração na Avenida Rio Branco próximo à Praça Mauá