Webmail    |    Fale Conosco

Quem Somos    |    Filie-se

 
  • 27 Junho 2019

Falta dramática de médicos faz corpo clínico de Bonsucesso recomendar fechamento da emergência

Descaso com a coisa pública e negligência com serviços essenciais costumam cobrar uma alto preço. E quem paga a conta é a população dos bairros pobres. No caso, os homens, mulheres e crianças que dependem do atendimento de saúde do Hospital de Bonsucesso. Isso porque o corpo clínico da unidade encaminhou ofício à direção nesta quinta-feira, 27 de junho, pedindo o fechamento da emergência em razão da calamitosa situação causada pela falta de médicos. A presidente do SindEnfRJ, Mônica Armada, e o diretor Marco Schiavo participaram de reunião hoje em Bonsucesso para discutir o assunto. 

Para se ter uma ideia da gravidade do problema, nesta sexta-feira, 28/6, o cidadão ou cidadã que precisar de atendimento na emergência contará com um médico de plantão. Isso mesmo : um médico. E não é tudo : para sexta, sábado e domingo não há nenhum médico na escala. Ou seja, os habitantes do entorno do hospital, normalmente desassistidos e que têm no Hospital de Bonsucesso uma das poucas opções públicas da região, ficarão ao Deus dará.

Como entender que um emergência que custou milhões ao erário seja entregue à própria sorte depois de tão pouco tempo de inaugurada ? O quadro que já era preocupante em termos de falta de médicos no governo anterior se agravou fortemente no atual. Chega a ser chocante a irresponsabilidade das autoridades de saúde do governo federal, que sequer respondem aos apelos e pedidos de socorro dos profissionais de Bonsucesso.

Na verdade, a crônica de uma morte anunciada se desenhava desde que a última contratação de médicos via NERJ ofereceu salários pouco atraentes, abrindo caminho para que muitos médicos pedissem demissão diante de propostas mais vantajosas de trabalho. E por que nunca realizam concursos públicos, como defendem dese sempre as entidades de servidores ? Será que por trás do colapso da emergência do hospital está a intenção deliberada de escancarar as portas da unidade para a terceirização ?